10/12/2014

PROPTOSE OCULAR


A proptose é o deslocamento súbito do bulbo ocular, anteriormente (olho sai da órbita), com simultâneo encarceramento pelas pálpebras. Pode ser causada por traumas, problemas dentários, corpos estranhos, neoplasias e predisposição racial . Cerca de 50% dos cães afetados são braquicefálicos (focinho curto) podendo ocorrer até após traumas leves devido a características anatômicas destes animais.  A ocorrência nas raças dolicocefálicas focinho comprido) está associada com traumas graves. Nos gatos o espaço retrobulbar (atrás do olho) é limitado quando comparado aos cães, sendo que nesses, geralmente, a proptose está associada a traumas severos.



Aisha, 12 horas após trauma. Dra Fabiana Quartiero


Aisha, 12 horas após trauma. Dra Fabiana Quartiero


As proptoses requerem assistência emergencial, por proporcionar oclusão do suprimento sanguíneo, levando a danos irreversíveis ao nervo óptico e à retina, além de promover necrose corneana, ceratites por exposição, irites, coriorretinites, descolamento da retina, luxação do cristalino, avulsão óptica e, na maioria das vezes, estrabismo.

 A reintrodução do bulbo ocular é procedimento obrigatório nas proptoses, exceto nos casos associados à extrusão ou destruição de suas estruturas internas, bem como naqueles com ruptura da maioria dos músculos extra-oculares, presença de tecido necrótico ou altamente infectado ou outras complicações irreversíveis; para estes, o tratamento de escolha é a enucleação, porém em alguns casos, há a possibilidade de manutenção do bulbo ocular com propósitos estéticos.O paciente também deve  receber antibióticos, antiinflamatórios e analgésicos sistêmicos.

Quanto mais rápido o paciente é atendido por um oftalmologista veterinário, maiores as chances de recuperar a visão. Cerca de 27% dos animais não recuperam a visão, mesmo após traumas leves e atendimento especializado emergencial.


Aisha, 10 dias após a cirugia na Clínica Veterinária 4 Patas.
 Dra Fabiana Quartiero


 REFERÊNCIAS:


BRANDÃO, C. V. S., RANZANI, J., MARINHO, L., RODRIGUES, G., & CREMONINI, D. (2005). Proptose em cães e gatos: Análise retrospectiva de 64 Casos. Archives of Veterinary Science, 10(1).

 GELATT, K.N. Doenças e cirurgia da órbita do cão. In: ____. Manual de oftalmologia veterinária. 3. ed. São Paulo: Manole, 2003. p.39-42. 













10/02/2014

De olho neles! A saúde ocular do seu bichinho merece atenção!


Ter a visão em dia é essencial para o bem-estar de qualquer bicho. Exames regulares são imprescindíveis para afastar a possibilidade das doenças oculares tornarem-se graves e mandar o risco da cegueira para longe. Problemas oculares podem aparecer em qualquer idade, por isso, fique atento aos sinais de desconforto visual que o seu animalzinho possa apresentar.


É possível notar alterações na aparência dos olhos, como excesso de secreçãoocular ou alteração na cor, opacificação dos olhos, vermelhidão excessiva na esclera (parte branca dos olhos), além de incômodo e dor, que são demonstrados pelos animais através de piscadelas, tentativas de passar as patinhas nos olhos ou esfregá-los no chão, pano, sofá e tapetes. Confira as dicas da especialista em oftalmologia veterinária Fabiana Quartiero
.



PRINCIPAIS DOENÇAS:
Cães e gatos costumam sofrer de doenças como catarata, úlcera de córnea e glaucoma, entretanto, um dos problemas mais comuns é a ceratoconjuntivite seca (CCS) ou olho seco. A falta de quantidade ou de qualidade de lágrimas leva a um quadro de secreção ocular, olhos vermelhos, ceratite, prurido e desconforto.

Para identificar corretamente cada doença é preciso fazer um exame oftalmológico completo, pois os sintomas são parecidos e inespecíficos, na maioria dos casos. O importante é reconhecer que algo não está bem e procurar um especialista. Úlcera de córnea contaminada, por exemplo, pode causar perfuração ocular em menos de 48h.



Pode causar úlceras de córnea e levar à cegueira. Algumas raças são predispostas, mas qualquer animal pode sofrer deste mal, pois as causas não são apenas genéticas. A CCS costuma ser confundida com conjuntivite, porém, é grave e não tem cura.
O tratamento é para o resto da vida. Outras doenças comuns são as de má formação palpebral, como entrópio (pálpebras viradas para dentro) e as afecções dos cílios como distiquíase (cílios mal implantados, direcionados para a córnea).


COMO IDENTIFICAR:
A catarata pode ser notada através da opacificação do cristalino. Os olhos ficam esbranquiçados e o animal começa a ter dificuldades para enxergar. No glaucoma, percebe-se um aumento no tamanho dos olhos. Neste estágio, procurar ajuda com urgência. É uma doença que não tem cura.

RAÇAS VULNERÁVEIS:
Algumas raças são mais suscetíveis a ter doenças oculares. A causa é genética. É importante que animais com alterações genéticas diagnosticadas não sejam reproduzidos. Os bichinhos que mais apresentam tendência a alterações oftálmicas são: sharpei (alterações na conformação palpebral, como o entrópio), Cocker spaniel ingleses e americanos, poodles miniaturas e labradores retrievers (atrofia progressiva de retina e catarata), shitzu, lhasa apso, buldogue inglês, schnauzer miniatura, yorkshire, terrier, pequinês e pug (ceratoconjuntivite seca) basset hound, beagle e poodle (glaucoma primário).

CUIDADOS:
Nos casos de tratamento oftálmico, além de seguir as orientações sobre a frequência das medicações e das revisões, é importante utilizar o colar para proteção contra auto-traumatismos. No caso de animal cego, é importante manter os móveis nos mesmos lugares, andar com o animalzinho somente na guia e evitar ambientes com escadas e
piscina, para que não ocorram acidentes. A visão é o terceiro sentido do cão. Após um período de adaptação, eles se guiam muito bem pelo olfato e pela audição. Podem levar uma vida normal e feliz, desde que não sintam dor e tenham a atenção e o carinho dos seus donos.

FIQUE ATENTO AOS SINAIS!
* Piscar muito ou ficar com o olho fechado
* Coçar os olhos
* Excesso de secreção ou lacrimejamento
* Olhos irritados, vermelhos, opacos ou azulados
* Pupilas dilatadas que não diminuem na luz
* Trombar em objetos





Gostaria de agradecer à jornalista Ana Giacomelli do Diário Gaúcho pelo seu interesse em nos ajudar a esclarecer a população sobre a importância da oftalmologia veterinária. 

http://wp.clicrbs.com.br/bicharada/2013/09/11/de-olho-neles-a-saude-ocular-do-seu-bichinho-merece-atencao/?topo=52%2C1%2C1%2C%2C186%2Ce186