27/12/2011

Úlcera de córnea em melting

Melting significa derretimento em inglês. Isso mesmo, a córnea pode apresentar uma complicação que causa derretimento do seu colágeno. Normalmente é uma contaminação pela bactéria pseudomonas spp. Esta bactéria libera enzimas que destroem o colágeno da córnea. E aí que está o problema...pois mesmo iniciando o tratamento com antibióticos fortificados e eliminando as bactérias estas enzimas já foram liberadas e continuam agindo sobre a córnea...
Para neutralizar a ação destas enzimas precisamos de uma substância poderosa: o sangue. Por isso é indicado procedimento cirúrgico de urgência.
Ao fazer um recobrimento ("flap") com conjuntiva bulbar, levamos irrigação sanguínea para a córnea danificada. Desta forma "oferecemos" um suporte para eliminar as enzimas e oferecer substrato para a cicatrização. Mas mesmo com a cirurgia é importantíssimo manter o trtamento com os colírios antibióticos e antiinflamatórios.

Foi o que aconteceu com o Spock. Ele apresentou uma úlcera complicada, em melting (Figura 1 e 2) e precisou de uma cirurgia. No caso do Spock optei por um flap bipediculado (Figura 3), pois assim a irrigação sanguínea poderia vir por dois lados ao mesmo tempo.

Figura 1 e 2: úlcera de córnea em melting no olho esquerdo.


Figura 3: Flap bipediculado. Figura 4: 30 dias de pós cirúrgico.

Após 30 dias retirei os pontos e cortei os pedículos (Figura 4). E após 60 dias da cirurgia (Figura 5) o Spock estava bem, sem dor e com boa percepção visual do olho operado. Obviamente fica uma grande cicatriz, mas por sorte a do Spock não foi no centro do córnea, possibilitando assim o retorno visual. Em alguns casos, a inflamação intraocular é tão grande que pode até ocorrer descolamento de retina e glaucoma, levando à cegueira.

Figura 5: Spock 60 dias após a cirurgia.